Criando filhos transformadores!

Muitos de nós temos o seguinte pensamento: cuidar bem de uma criança é dar banho, dar comida na boca, vestir as roupas para ela, dar o remedinho, colocar pra ver um desenho e levar para a escola. Ótimo, a sua preocupação está certa, mas Não Podemos Fazer TUDO por ela. O cuidar vai além disso, é permitir que a nossa criança se desenvolva, evolua. Que ela encontre a sua MISSÃO DE VIDA. Antes de mais nada, para criar uma criança transformadora, precisamos nos preparar espiritualmente: abrir mão de coisas que achávamos mais importante, mudarmos hierarquias e prioridades. Dar voz para a nossa criança interior. Pedir sabedoria para Deus.

A pedagoga e médica Maria Montessori acreditava que são o orgulho e a ira do adulto que formam a tirania e nos faz empurrar obstáculos e arremessar dificuldades no estreito caminho da criança, porque não olhamos com o olhar dela.Na bíblia também encontramos no livro de Mateus 19:14 Jesus nos chamando a atenção para isso: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas.”

Mas você se pergunta: eu preciso dar limites!

O que vem à sua mente quando ouve a palavra limite? Muitos de nós já pensamos em medo e ameaça, porque esta foi e é a base da criação das maiorias das pessoas. Realmente, quando colocamos medo e ameaça limitamos a criança, ela obedece. Mas será que queremos crianças LIMITADAS porque sentem medo, ou queremos crianças que aprenderam e entenderam o que é melhor para elas?

Escrevi alguns princípios transformadores que nos ajudam a encontrar o equilíbrio:

AutonomiaRotinaRegras (claras)Consequência (de seus atos)AutonegaçãoConexão espiritual


1- Autonomia

A criança confia em nós para a guiarmos, temos este papel dado por Deus de prepararmos ela para a vida. Quantas vezes dizemos à criança para ser rápida para lavar as mãos e fechar logo a torneira, mas ela acabou de descobrir mais um dom da vida. A beleza de abrir a torneira, lavar as mãos…pra ela isso é um milagre…está experimentando tudo pela primeira vez. “Quando lava as mãos entra em estado de graça. Ela vive em comunhão atenta. Quando monta um quebra-cabeças desvenda os mistérios da vida. Durante seus fracassos, perde a fé e a recupera quando tem um mínimo sucesso.”

Como o adulto (deveria) olhar os lírios do campo, a criança nota a presença da vida em tudo o que faz. A criança observa com olhos de amor, é isto que faz ver o invisível.

Mateus 6:28,29: “Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer um deles.”

É esta atenção e concentração que tiramos das crianças quando a obstaculizamos, quando interferimos muito em suas ações, quando a limitamos negativamente. Comparando com a nossa espiritualidade, por exemplo, a oração pode ser um monólogo repetitivo e vazio, ou pode se transformar em experiências profundas de comunhão e fé.

Leis do adulto: velocidade, resultado, eficiência. Leis da vida: repetição, comunhão profunda, reconhecimento, processo contínuo de criação.

Faça menos pela criança, seja na maior parte do tempo o seu guia. Incentive desde cedo ela assumir o protagonismo da própria vida. Temos a todo o momento uma grande fonte de oportunidades à nossa volta. Os erros vão acontecer, mas elas vão aprender com eles. A liberdade dela virá depois da orientação. “Dê a criança um ambiente adequado e o efeito dele sobre a sua mente será semelhante ao efeito que se dá na saúde quando lhe oferecemos uma dieta equilibrada.” Evite: ambiente com coisas frágeis e ambiente lotado de brinquedos.

A cozinha pode ser um lugar onde ela é bem-vinda!


Permita a criança fazer as atividades domésticas desde bem pequena, você sempre como guia, orientando o uso adequado e permitindo que ela também faça.

Quando a criança mostrar interesse por um objeto da casa, permita que ela fique, talvez isso lhe mantenha ocupada por um bom tempo. Quando o interesse acabar é bem possível que ela não peça o objeto de novo.

Permita:

-vestir várias roupas, uma sobre a outra. -trocar de roupas várias vezes seguidas. -abrir todas as gavetas do móvel da casa. -tirar as frutas da fruteira. Fomos ensinados que essas ações impróprias devem ser interrompidas.

“Talvez se ensinássemos com um grau de refinamento maior, ao invés de impedir, ou ensinássemos a criança a terminar o que começou e a deixássemos livres para repetir. Quanto das nossas relações com a criança se transformaria só porque a nossa interpretação mudou.”

Geralmente falamos e ouvimos: “Ah, deixa ele crescer pra fazer isso ou aquilo. Pra colocar o suco no próprio copo, pra se mover, pra se pentear sozinha…”

A criança exprime a sua vontade por meio do movimento, é esta essência que nos leva à superioridade da espécie. Quando se preserva esta vontade a criança vai buscar a sua missão de vida, ela está livre para agir no ambiente. Ela é feliz!!!!!!

O movimento é um fator indispensável. O mecanismo do movimento representa o máximo da complexidade no gênero humano. O corpo que não se movimenta muito, acaba produzindo menos energia por isso a criança fica “preguiçosa.”

Os músculos são a manifestação do eu interior, precisa ter alguém vivo para dar vida ao movimento dos músculos. Se tem músculos inativos que normalmente deveriam estar em funcionamento, resultam em depressão, não somente física como também moral.

Quando abre e fecha a torneira sozinha a criança sente a própria vida fazer sentido pelo movimento de suas mãos. Quando tiver dominado perderá o interesse naquilo que antes era um mau comportamento e vai usar somente para a função apropriada.

Nasce daí a concentração, o propósito, a autodisciplina, a perseverança. Todas as bases para o desenvolvimento da personalidade e do caráter são iniciadas pela ação, movimento e conquista da independência.

Se antes interrompíamos agora nos tornamos companheiros de sua jornada.


Outras atividades:

Estender a roupa: desenvolve coordenação motora.Espremer a fruta: requer força muscular.Descascar ovos cozidos: concentração.Cortar legumes: concentração, foco.

Seja o guia desta criança. Fale menos e deixe a criança fluir em seu trabalho. Nós precisamos ter a consciência que os resultados trazidos pela criança não serão os mesmos do adulto.

Consciência ambiental:

Despertar a criança a manter o ambiente limpo, arrumado e bem conservado para que ela aprecie a natureza e a harmonia estética.

Limpar a mesaRegar as plantasVarrerCuidar do animalPreparo de arranjo de flores

Cuidados pessoais:

Tomar o próprio banho e se enxugar.Pentear-se.Lavar as mãos.

É bom para a autoestima/autoconfiança, sente-se realizada, fica feliz de ver o resultado positivo. Cuidado: a criança tem o seu próprio tempo, precisamos ser tolerantes.

2-Rotina

Muitas vezes a criança só tem um tipo de brincadeira, não tem horário para comer, para dormir. Tudo isso é o que LIMITA a criança. Ela fica sem direção. Lembre-se que somos seus orientadores. Então, podemos usar bem a palavra limites para LIMITAR o tempo das atividades e estabelecer uma rotina. Se for preciso, desenhe para a criança entender melhor as atividades que irá fazer durante o dia.

Hora para comer (vamos comer na mesa?) Deixe a TV neste momento. Puxe assunto com o seu filho.Hora para tomar banho. Procure não gritar mandando, avise que está chegando o momento, acompanhe e, se for preciso, estipule um tempo a mais.Hora de guardar os brinquedos.Hora para dormir.

Você percebe que se não colocamos uma rotina eles ficam limitados porque não conseguem evoluir. Ficam “patinando no sabão”, não sabem o que fazer, nem para onde vão. Com uma rotina eles ficam menos ansiosos. Eles precisam ir além, descobrirem o seu potencial.

3- Regras básicas claras

De acordo com aquilo que você acredita e os valores da sua família você estabelecerá algumas regras em sua casa. As regras têm que valer para todos, inclusive os adultos. obs.: É interessante envolver as crianças na criação dessas regras, elas podem ser tornar cúmplices e se sentem mais responsáveis no cumprimento delas.

Exemplos:

Não gritar.Não falar palavrões.Não agredir.Não jogar objetos.

4-Regras de Convívio social

Exemplos:

Sussurrar ao entrar.Não bater a porta.Esperar a sua vez.Respeitar os outros.Falar com tom moderado de voz.

5- Prefira ensinar as Consequências (lei da semeadura) do que usar sempre o método de trocas e recompensas.

Gálatas 6,7-8: “Não vos iludais; de Deus não se zomba. O que o homem semear, isso colherá: quem semear na sua carne, da carne colherá corrupção; quem semear no espírito, do espírito colherá a vida eterna.”

Você colhe o que planta! Isso acontece na vida de todos, sem exceção. E não será diferente com seus filhos. Tudo o que se faz pode trazer consequências boas ou ruins:

Se não cuidar/guardar vai ficar velho e quebrado e não terá outro novo.Se deixar a massinha aberta vai secar.Se deixar as canetinhas abertas vai secar a tinta.Se tomar banho e colocar logo o pijama terá um tempo maior de brincar.

Nós devemos deixar que aconteça a consequência, não em tom de ameaça, mas para a criança compreender que há consequências boas ou ruins para seus atos. O objetivo da correção tem quer ser sempre moldar o caráter, criar valores e princípios.

Quando explicamos e mostramos as consequências para os seus atos, a criança vai entendendo sobre a necessidade de mudar suas atitudes inadequadas, diferentemente quando a criança faz por que vai ser castigada ou porque ganhará algo em troca ou porque está sob ameaça. Estes tipos de recursos são prejudiciais, porque estamos treinando: o interesse próprio e individualismo.

Só farão algo pensando no retorno rápido e prazeroso. Faz ou não faz pela recompensa. A exemplo temos os adultos corruptos que, em dimensão maior, utilizam este método de troca em suas vidas.

A consequência ao comportamento inadequando tem que ser natural e não provocada; como por exemplo de consequência errada: se você não guardar os brinquedos vai ficar sem TV, se guardar ganha um chocolate. Desta forma não estamos ensinando, estamos “adestrando” as crianças assim como adestramos os animais: “faça aquilo e ganhe isso.”

Algumas coisas temos que ensinar os nossos filhos que são obrigação e não mérito: tirar o seu prato da mesa, arrumar a cama, arrumar o quarto, etc.

Precisamos criar futuros adultos que respeitem as leis não porque vão ser multados, ou castigados, mas porque ENTENDERAM o que é certo.

Mesmo todo mundo fazendo errado, a sua criança vai se diferenciar onde ela estiver vai saber quando algo estiver errado, ela pode ser um agente de transformação no mundo.

6- Autonegação

Muitas vezes vamos ter que mostrar que ele não é o “reizinho” da casa e o centro do Universo. Que não podemos fazer tudo o que queremos, que existem outras pessoas que devemos interagir, trabalhar em cooperação.

Precisamos treinar, desde bem cedo o seu filho a agir orientado pela obediência e não pelo sentimento. Pais e filhos precisam depender tanto do Espírito Santo quanto da Palavra para produzir esta mudança desejada.

Uma forma de mostrar que ele é um entre milhões, é ensinando sobre o tamanho do Universo, podemos falar de quantas pessoas existem no mundo, a quantidade de planetas, continentes, países, estados, cidades, as estrelas, os mares, as galáxias, enfim….usem a criatividade.

Tudo isso mostra o quão insignificantes somos e como são pequenos nossos problemas. A noção de grandeza do universo e pequenez do ser humano.

Lembre-se de ensinar não somente na teoria, mas na prática. Quando nós pais, atrapalhamos o trânsito, furamos fila, burlamos as regras do jogo, estamos mostrando aos nossos filhos o  individualismo e o quão nos sentimos melhores do que o outro.

Filipenses 2:3 “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.”

7- Conexão com seu lado espiritual.

Não há como imaginar uma melhor forma do pai cooperar com a obra do Espírito Santo na vida de seu filho do que lhe dar a arma mais importante: a espada do espírito, que é a palavra de Deus.

Dicas:

Memorização das escrituras: eficaz na correção de problemas existentes, desenvolvimento de novos hábitos também no futuro.Fazer um exercício de silêncio, contemplação, meditação. Fique deitado com o seu filho sem o sentimento de estar perdendo tempo.

“A meditação na palavra, digere, implanta e transforma o conhecimento espiritual obtido, mudando e transformando de acordo com ela, de modo que a vontade de Deus e a sua vontade se tornam uma, fazendo com que você escolha e se deleite nas mesmas coisas que ele.” Sr. Scudder

O silêncio traz benefícios como: concentração, disciplina própria, relaxamento, apreciação, absorção.

Ajude-o a aplicar essas passagens na própria vida.Treine para obedecer às escrituras: produzir filhos sábios PV 13:1.Incentive seu filho a exercitar a gratidão: Ore com ele antes de dormir, antes das refeições, antes de ir para a escola.

NÃO VOU CONSEGUIR. NÃO SOU PERFEITO.

O princípio básico para criar filhos transformadores é moldar o caráter, ensinar valores. Nos transformarmos em pessoas mais parecidas com Jesus, que tenham o caráter de Cristo.

A régua tem que ser Jesus e nunca o outro. Evite comparações.

Mas você vai me dizer: “eu preciso criar filhos para este mundo mal” pois é, o seu filho vai ser diferenciado onde ele estiver, não falo em sucesso no conceito mundano, falo em saber quando aquilo que seu filho estará presenciando ou vendo não é o “normal” porque ele tem referência do que é ser melhor, do que é amor. Ele não vai aceitar o ruim. Filhos que obedecem porque entenderam no coração, porque amam.

Um exemplo para seguirmos

Um exemplo que gosto de citar, que foi a pessoa de Jesus. Uma referência para seguirmos de caráter, amor e empatia.

Se colocava no lugar do outroNão julgava precipitadamenteOuvia mais e falava menosVoz firme de comando. Ele falava com mansidão, mas todos ouviam.Ensinava através de histórias/metáforasEra mansoEle orava

Não se preocupe, nós já nascemos com a tendência para a maldade, o meu filho e o seu também. Por isso, precisamos orientar para o caminho do amor.

“O seu objetivo como pai já foi estabelecido na bíblia. Não é preciso questionar-se acerca do que o seu filho deve se tornar. Você terá esta resposta para isso quando terminar de treiná-lo. Ele deve se parecer com Jesus Cristo.”

Por Drica Reis formada em Comunicação Social, mãe do Vitor, esposa e coautora do Ministério Mães com Fé.

Fontes de pesquisa:

“Crianças Obedientes não ficam quietas” de Gabriel Simões (Lar Montessori) “A criança” de Maria Montessori “O caminho para o filho andar’ de Lou Priollo

0 visualização
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
Siga-nos nas redes sociais!

© 2023 by BINK. Publishers. Proudly created with Wix.com